Formas de tratar o colesterol elevado em crianças

Os adultos não são os únicos indivíduos atingidos pelo colesterol alto. As crianças também podem possuir elevados índices de colesterol, o que tem a tendência de acarretar problemas salutares, especialmente doença cardíaca. O colesterol alto leva à acumulação de placas nas paredes arteriais que fornecem sangue ao coração e a outras partes do corpo. A placa é capaz de diminuir todas artérias e obstruir o fluxo sanguíneo para o coração, causando problemas cardiovasculares e acidentes vasculares cerebrais.

O que provoca colesterol elevado em crianças?

Os níveis de colesterol das crianças estão conectados, principalmente, a 3 fatores de risco:
Hereditariedade (passada de pai para filho), alimentação e obesidade.
Na grande parcela dos quadros, crianças com colesterol elevado têm pais que também têm colesterol alto.

De que maneira o colesterol alto é diagnosticado nas crianças?

colesterol-alto-criancas Profissionais de saúde conseguem aferir o colesterol em crianças em idade escolar com um exame de sangue simples. Efetuar esse exame é significativo se houver um quadro familiar forte de enfermidade cardíaca ou se um dos pais da criança tiver colesterol elevado. Os resultados do exame de sangue divulgarão se o colesterol da criança é bem elevado. A Academia Americana de Pediatria sugere que todas as crianças possam ser examinadas uma vez entre nove e onze anos e novamente, depois de crescidos, entre dezessete e vinte e um anos.
O rastreio seletivo é interessante às crianças com antecedentes familiares de colesterol alto ou gorduras no sangue, ou antecedentes familiares de enfermidade cardiovascular prematura. O rastreio ainda é recomendado em crianças de dois a oito anos que têm um IMC maior que o percentual 95 e em crianças mais velhas (idades entre doze e dezesseis) com IMC superior em relação ao percentual 85 e que têm outros fatores de ameaça como a exposição à fumaça do cigarro, diabete ou hipertensão arterial.

Colesterol e a idade da criança

Às crianças com excesso de peso ou obesas e que têm um alto nível de gordura no sangue ou baixo nível de “bom” colesterol HDL, o controle de peso é o principal tratamento. Isto quer dizer que a criança precisará realizar uma dieta aperfeiçoada, com acompanhamento de um nutricionista e aumento da prática de atividades físicas.
Para crianças de dez anos ou mais com níveis de colesterol grandemente elevados (ou coeficientes elevados com história na família de doença cardiovascular precoce), o tratamento com remédios precisa ser considerado.

De que modo o colesterol elevado em crianças é tratado?

A melhor forma de tratar o colesterol em crianças é com um programa de dieta e de exercícios que envolvam todos os membros da família. As alimentações devem envolver a ingestão de alimentos com baixa gordura total, gorduras saturadas, gordura trans e colesterol. A quantia de gordura total que uma criança ingere precisa ser trinta por cento ou inferior ao total de calorias diárias ingeridas. Essa sugestão NÃO aplica-se a crianças com menos de 2 anos.
A gordura saturada precisa ser mantida em menos de 10% das calorias diárias totais, ao passo que a gordura trans precisa ser evitada. Para crianças do grupo de alto risco, a gordura saturada precisa ser restrita a 7% do total de calorias. Selecione uma variedade de alimentos a fim de que seu filho possa obter todos os nutrientes que ele tem necessidade.

Exercícios ajudam a reduzir o colesterol

A atividade física aeróbica usual, como ciclismo, corrida, caminhada e natação, é capaz de auxiliar a elevar os coeficientes de HDL (o “bom” colesterol) e diminuir o risco de doença cardiovascular na criança.
Se a dieta e o exercício não abaixarem os níveis de colesterol de seu filho, ele pode precisar tomar medicamentos, todavia para tal fim é fundamental determinação de um médico.
O nível de colesterol das crianças tem necessidade de ser reanalisado e controlado quando as variações na dieta começarem a ser adotadas ou a medicação iniciada, conforme recomendado pelo médico.

Formas de tratar o colesterol elevado em crianças
Avalie esta postagem

Deixe uma resposta